Atriz revela ter sido cortada de novela de Gloria Perez e motivo choca

Depois da pausa após A Força do Querer, Glória Perez voltará a escrever novela para a faixa das 21h da Globo (Foto: Reprodução)

Depois da pausa após A Força do Querer, Glória Perez voltará a escrever novela para a faixa das 21h da Globo (Foto: Reprodução)

A escalação do elenco de Travessia, nova novela de Gloria Perez, está cercada de polêmica. Depois da repercussão do anúncio de que Jade Picon terá um dos papéis principais da trama, agora uma atriz diz ter sido cortada do elenco do folhetim da Globo.

Em um desabafo nas redes sociais, a atriz portuguesa Maria Vieira diz ter sido vetada do elenco de Travessia por ser militante da direita e apoiar o presidente da República Jair Bolsonaro.

Ainda de acordo com a publicação, ela teria sido chamada por uma produtora de elenco para fazer parte da novela. No entanto, foi o diretor Mauro Mendonça Filho que deu a notícia de que ela não mais faria parte da trama.

Leia também:

Grazi Massafera volta a Globo e será mãe de Jade Picon em Travessia

Depois de Jade Picon, Arthur Aguiar pode ganhar papel em Travessia

Maria Vieira revela por que teria sido vetada de novela de Gloria Perez

“Resolvi entrar em contato com o Mauro Mendonça Filho para saber em que ponto estavam as coisas”, disse a atriz, que contou que já havia procurado o consulado brasileiro em Portugal para tirar as documentações necessárias para o trabalho no país.

“[Ele] lamentava de ter que me dar essa notícia, que me admirava muito, enfim”, frisou Maria Vieira.

Na publicação, a atriz levantou hipóteses para ter sido vetada de Travessia. “O que eu sei é que desta vez alguém trabalhou nos bastidores para me impedir de integrar o elenco da novela da Gloria Perez”, apontou.

“Terá sido o único motivo pelo qual eu fui afastada do elenco daquela que seria a minha quarta novela na TV Globo“, disse, se referindo ao fato de ser militante de direita e apoiadora de Jair Bolsonaro.

Por fim, Maria Vieira diz que fez a publicação como forma de protesto. “Não hesitei em tornar este caso público porque é fundamental que o público saiba ou que vai acontecer no mundo artístico, quer em Portugal ou no Brasil, que tome conhecimento das injustiças que estão a ser cometidas o nome do socialismo, do globalismo e do politicamente correto“, finalizou.

 

Paulo Victor
Professor e entusiasta da sétima arte, atua na internet há mais de dez anos produzindo conteúdo sobre séries e cinema, aprecia a dramaturgia para as diferentes telas.
Top