Léo Lins é demitido do SBT após piada sobre criança com hidrocefalia e Teleton

Léo Lins

Léo Lins

O humorista Léo Lins foi demitido do SBT nesta segunda-feira (04) após ser criticado por fazer uma piada envolvendo uma criança com hidrocefalia e o Teleton. A emissora de Silvio Santos não teria gostado da repercussão do caso nem do envolvimento do Teleton, ação da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) e promovida pelo canal paulista.

De acordo com a coluna Em Off, do iG, o ator e comediante foi chamado no RH do SBT, onde foi informado de que estaria sendo dispensado de suas funções na emissora. Léo Lins fazia parte do elenco do programa The Noite com Danilo Gentili.

“Eu acho muito legal o Teleton, porque eles ajudam crianças com vários tipos de problema. Vi um vídeo de um garoto no interior do Ceará com hidrocefalia. O lado bom é que o único lugar na cidade onde tem água é a cabeça dele. A família nem mandou tirar, instalou um poço. Agora o pai puxa a água do filho e estão todos felizes”, disse Leo Lins durante um show de stand-up comedy cujo vídeo circula nas redes sociais.

Leia também:

Ana Furtado fica sem trabalho na Globo após fim da Dança dos Famosos

Globo recebe 75% mais investimento em publicidade na busca pela reeleição de Bolsonaro

Atitude de Léo Lins repercute mal na web

A piada de Léo Lins acabou repercutindo mal nas redes sociais após o vídeo viralizar. “Meu Deus, que vontade de chorar. Como pode isso gente? Como alguém ri disso?”, perguntou uma internauta após ver o vídeo.

“Como pode chegar a esse ponto? Não tem lógica um tipo de ‘piada’ dessa… Deus do céu, toma conta porque tá cada dia mais sem noção e empatia esse mundo”, criticou outra.

“A hidrocefalia ocorre quando o liquor, que circula pelo cérebro atuando como um sistema de proteção, não consegue ser reabsorvido. Na hidrocefalia infantil  ocorre a expansão da cabeça porque ainda não há consolidação óssea da caixa craniana”, informa a página do Hospital Albert Einstein na internet, sobre a condição clínica.

“Trata-se de uma doença extremamente limitante. O paciente não consegue se locomover e fica preso ao leito”, explica o dr. Ivan Hideyo Okamoto, neurologista do Hospital Albert Einstein.

Paulo Victor
Professor e entusiasta da sétima arte, atua na internet há mais de dez anos produzindo conteúdo sobre séries e cinema, aprecia a dramaturgia para as diferentes telas.
Top