Carla Vilhena detona Lívia Andrade e Leo Dias após ser criticada: "Não preciso de mídia" - Portal Overtube Carla Vilhena detona Lívia Andrade e Leo Dias após ser criticada: "Não preciso de mídia" - Portal Overtube
Você está lendo
Página inicial > Fofocas dos Famosos > Carla Vilhena detona Lívia Andrade e Leo Dias após ser criticada: “Não preciso de mídia”

Carla Vilhena detona Lívia Andrade e Leo Dias após ser criticada: “Não preciso de mídia”

Carla Vilhena rebate Lívia Andrade e Leo Dias

Carla Vilhena rebate Lívia Andrade e Leo Dias

Os apresentadores do Fofocalizando repercutiram nesta terça-feira (25) a reclamação de Carla Vilhena que fez contra um baile funk realizado próximo a sua casa. Parte deles criticaram a postura da ex-jornalista da Globo, que, por sua vez, não deixou barato e respondeu a cada um deles no Twitter.

Em primeiro lugar, Vilhena marcou Leo Dias no Twitter e rebateu os comentários do colunista. “Leo Dias, não preciso de mídia. Meu trabalho é apenas com empresas, não com público”, escreveu.

Logo em seguida, foi a vez de Lívia Andrade receber críticas da jornalista. “Não sou contra nenhum pai de família que vive do gênero funk. Sou a favor de que eu e todos os trabalhadores que acordam na segunda-feira têm de dormir e não ouvir a pornografia explícita (perdoem a redundância) das letras”, continuou.

O único que se salvou do rebate de Carla Vilhena foi Décio. “Obrigada por tentar colocar um pouco de bom senso. Não pude ouvir a entrevista por estar o dia todo em conexões de 3 voos com destino ao interior de Tocantins. Soube por amigos. Grata”, finalizou.

Pornografia e nojeira, diz Carla Vilhena sobre versões de funk

A ex-Globo Carla Vilhena dividiu opiniões ao detonar versões de funk consideradas ‘proibidões’.

“Inferno nos ouvidos, baile funk a todo volume. E quem tem que acordar cedo? Bem, pra que se preocupar com os trabalhadores, o bom mesmo é a tal ‘manifestação cultural’, que é como essa porcaria é chamada pelos pseudointelectuais”, afirmou.

“O funk pornô está a serviço do tráfico de drogas. E dominou as comunidades pois traz a conveniente alienação dos jovens, contrariamente ao rap, que fazia pensar”, continuou a jornalista.

“O funk de podridão estimula um comportamento tão baixo dos jovens, que muitos só conseguem fazer aquilo sob efeito de drogas. Rap conscientiza, funk aliena. Por isso o tráfico baniu o rap”, completou.

Top