Adriana Araújo, que criticou Jair Bolsonaro, deixará a Record TV - Portal Overtube Adriana Araújo, que criticou Jair Bolsonaro, deixará a Record TV - Portal Overtube

Adriana Araújo, que criticou Jair Bolsonaro, deixará a Record TV

A jornalista Adriana Araújo (Reprodução)

A jornalista Adriana Araújo (Reprodução)

A jornalista Adriana Araújo deve ser a próxima baixa da Record TV. A apresentadora, ao que tudo indica, não vai renovar seu contrato com a emissora da Barra Funda, que chega ao fim em março deste ano.

Ao menos é o que informa o site NaTelinha, que garante que uma renovação no acordo entre as duas partes é muito improvável entre os diretores do canal que abrigou Adriana nos últimos 14 anos.

Segundo a publicação, o grande gatilho para o fim da parceria foram algumas polêmicas ocorridas em meados do ano passado. Nas redes sociais, a jornalista fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro, muito defendido pela Record.

Naquela ocasião, houve um grande incômodo e muitas especulações garantiam a saída da profissional da emissora. Ela permaneceu, mas deixou o comando do Jornal da Record e foi transferida.

Veja também:

Daniel Adjuto deixa “mala” marcando na CNN Brasil e fãs vão à loucura

Boni critica programação da Globo e detona GloboNews: “Morno e chato”

De saída para a CNN Brasil

Por trás do Repórter Record Investigação desde então, Adriana Araújo deve se mudar para a CNN Brasil, que teria bastante interesse no passe da apresentadora, que trabalhou na Globo por cerca de 11 anos.

Conforme explica o NaTelinha, entretanto, existe um único entrave no contrato de Araújo com o canal de notícias: seu atual salário é considerado muito alto. A jornalista precisaria abrir mão de uma parte para se transferir de emissora.

Em junho, Adriana chegou a apresentar nas redes praticamente uma edição de Jornal da Record, mas com uma forma totalmente diferente de trabalho. Ela afirmou que os dados não saíram a tempo de serem divulgados no Jornal da Record e revelou que naquele dia (quinta-feira, 4 de junho) foram perdidas 1.473 vidas.

Top