Atriz da Globo quebra silêncio sobre racismo em novela: “Silenciar não é opção”

Cinnara Leal na novela Nos Tempos do Imperador (Imagem: Reprodução/TV Globo)

Cinnara Leal na novela Nos Tempos do Imperador (Imagem: Reprodução/TV Globo)

Globo finalizou em fevereiro deste ano a novela Nos Tempos do Imperador, primeira trama das seis inédita a estrear depois da pandemia do novo coronavírus. E a trama chegou ao fim com uma grande polêmica: a revelação de um caso de racismo nos bastidores.

As atrizes Cinnara LealRoberta Rodrigues e Dani Ornellas, que tinham papeis de destaque no folhetim, denunciaram um dos diretores da produção. O caso ganhou forte repercussão e, algumas semanas depois, resultou na demissão do profissional.

Durante uma conversa com a revista Quem, Cinnara falou a respeito e fez um desabafo. “O acolhimento do público que a gente teve foi impressionante, necessário e importante. Silenciar não é mais opção”, disse a atriz, que viveu a personagem Justina na novela.

Leia outras notícias de hoje Portal Overtube:

Globo ignora Tiago Abravanel na grande final do BBB 2022

BBB 2022: Globo proíbe participação de negacionistas próxima edição

Atriz da Globo desabafa

“A gente não pode se permitir passar por violência, crimes e naturalizar isso. Qualquer tipo de violência é crime, não pode naturalizar. É o momento em que a gente precisa se unir para ter mais força, mais voz, e entender que nossos corpos precisam estar vivos e em pé, não no chão e sem vida”, disse.

Em outro momento, a atriz da Globo comentou que, infelizmente, silenciar casos do tipo acaba sendo comum. “É comum a gente naturalizar perdas diárias de pessoas pretas por causa do racismo que é estrutural, então a gente precisa falar isso”, continua a famosa.

Cinnara Leal ainda não pode dar muitos detalhes a respeito do caso por questões judiciais, mas também não se sente preparada para isso. “Eu não posso falar sobre esse assunto legalmente, e emocionalmente não me sinto preparada para falar. Mas espero que a gente tenha um final digno de um Brasil em transformação, de um povo saindo de um lugar de invisibilidade”, finalizou.

Top