Carlos Alberto de Nóbrega chora na TV ao deixar hospital: "Sirva de exemplo" - Portal Overtube Carlos Alberto de Nóbrega chora na TV ao deixar hospital: "Sirva de exemplo" - Portal Overtube

Carlos Alberto de Nóbrega chora na TV ao deixar hospital: “Sirva de exemplo”

Carlos Alberto de Nóbrega conversa com Cátia Fonseca no Melhor da Tarde (Reprodução/Band)

Carlos Alberto de Nóbrega conversa com Cátia Fonseca no Melhor da Tarde (Reprodução/Band)

O apresentador Carlos Alberto de Nóbrega, atualmente com 84 anos de idade, passou por um susto recentemente. Ele foi diagnosticado com a Covid-19 e passou alguns dias em um famoso hospital de São Paulo.

O comandante de A Praça é Nossa, do SBT, recebeu alta nesta terça-feira, dia 2 de março, e conversou ao vivo com a apresentadora Cátia Fonseca, do Melhor da Tarde, exibido pela Band.

Durante a conversa, ele afirmou que seu bom condicionamento físico o ajudou a se recuperar da doença. “Tô muito feliz. Tinha certeza que eu iria superar essa doença”, disse ele, que afirmou que estava preocupado.

“Meu grande problema era a preocupação com o meu filho e com a minha esposa. Meu filho estava isolado na casa da mãe dele e a Renata estava internada aqui, junto comigo. Com o decorrer do tempo, eu esperava uma coisa muito pior, mas não senti nada [sério]”.

Veja também:

Bandidos armados ameaçam equipe da Globo durante link ao vivo

BBB21: Ana Maria Braga comete gafe na Globo e “tira” Arthur de paredão

Condicionamento físico

Na sequência, Carlos Alberto de Nóbrega afirmou que espera que seu caso sirva de exemplo para pessoas mais jovens. “Que isso sirva de exemplo pra essa juventude que não faz esporte, que fuma, que bebe e que cheira”, diz.

O apresentador, então, se emociona. “Eu tive o resultado daquilo que eu plantei na minha vida física. Eu sempre fiz esporte desde os 14 anos, fui nadador, nunca deixei de fazer esporte, até hoje eu faço. Não bebo, não fumo. Meu pulmão foi uma coisa que me ajudou muito. Meu coração também”.

Ele encerra com um desabafo. “11 meses sem trabalhar. Meu maior sofrimento é que 10 ou 12 que fazem a Praça comigo têm salários. Os outros, ganham cachê. Minha preocupação era essa turma não estar trabalhando”, afirmou, explicando o motivo de querer voltar ao trabalho.

Confira o vídeo:

Top