Direção da CNN Brasil rebate Caio Coppolla ao vivo durante debate - Portal Overtube Direção da CNN Brasil rebate Caio Coppolla ao vivo durante debate - Portal Overtube

Direção da CNN Brasil rebate Caio Coppolla ao vivo durante debate

O comentarista Caio Coppolla na CNN Brasil (Reprodução)

O comentarista Caio Coppolla na CNN Brasil (Reprodução)

O comentarista Caio Coppolla ficou distante da CNN Brasil por mais de duas semanas depois de se sentir mal e apresentar sintomas do novo coronavírus. Nesta segunda-feira (6) ele retornou ao seu posto, agora aparecendo no horário nobre do canal da TV paga.

O quadro O Grande Debate foi exibido, agora tendo Monalisa Perrone como mediadora. Logo em seu retorno, entretanto, Coppolla acabou sendo repreendido ao vivo pela direção da emissora, que fez com que a apresentadora lesse um comunicado ao vivo.

Caio decidiu defender o fim do isolamento social para pessoas que não sejam do grupo de risco.  “O nosso comentário poderia estar sendo feito de casa, mas por uma questão meramente estética e cosmética, a gente vem ao estúdio e assume o risco de sermos contaminados e estamos aqui trabalhando”, disse ele.

CNN se posiciona ao vivo

“Estamos pesando a relação entre saúde e economia. Por que os trabalhadores em casa não têm o mesmíssimo direito que a gente tem aqui na CNN? Pessoas que estão em grupo de risco estão isoladas. Por que a gente quer impor algo tão diferente? O que que nos torna melhores ou piores que o cidadão que está em casa, impedido de trabalhar?”, prosseguiu.

Provavelmente o que o comentarista não imaginava é que fosse ser rebatido pela direção da CNN Brasil. Três minutos depois de suas falas, que foram em direção ao advogado Augusto de Arruda Botelho, Monalisa Perrone afirmou que a direção acompanhava tudo e decidiu se posicionar.

“A CNN Brasil deixa muito claro que segue as regras e, para lembrar a todos, os debatedores, os senhores e as senhoras que nos acompanham, o trabalho da imprensa no mundo inteiro é considerado um trabalho essencial nesse momento de pandemia. Quem diz isso não sou eu, é a Organização Mundial da Saúde”, disse a âncora.

Top