Rodrigo Constantino pede demissão de André Marinho após polêmica com Bolsonaro

O jornalista Rodrigo Constantino foi contratado pela RedeTV! (Imagem: Reprodução/YouTube)

O jornalista Rodrigo Constantino foi contratado pela RedeTV! (Imagem: Reprodução/YouTube)

A polêmica envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e o comentarista André Marinho, da Jovem Pan, continua rendendo. Na tarde de quarta-feira (27), o governante abandonou uma entrevista ao ser questionado sobre as rachadinhas.

Também contratado da Jovem Pan, o jornalista bolsonarista Rodrigo Constantino decidiu se colocar contra o colega de emissora e, durante o programa Pânico, defendeu a demissão de André.

“A avacalhação do programa, da emissora como um todo, isso é uma coisa muito séria. Isso é algo que as pessoas estão comentando lá fora. E colocou numa situação muito difícil, pois se ele for demitido, que é o que ele merece e o que todo mundo quer, vai parecer que veio de ordem de cima. Isso é uma coisa muito ruim que foi feita. É uma coisa que mancha o nome do programa, do jornalismo, da emissora e tudo”, disse.

Veja também:

Felipe Andreoli dá lição em Maurício Souza após homofobia: “Covarde”

Amanda Klein é chamada de “lulista” ao usar roupa vermelha na Jovem Pan

Mais críticas

No Twitter, Rodrigo Constantino fez outras críticas a André Marinho e, comentando a repercussão do caso, disse que o presidente Jair Bolsonaro é uma pessoa informal, sendo, inclusive, criticado por sua postura.

“O Pânico é um programa com uma pegada mais informal, é legítimo que seja assim. Mas há limites para tudo, ou deveria ver. Quando alguém está apenas atrás de lacração ou de uma campanha política. Ou pelo ressentimento que for de detonar o entrevistado e quer parecer mais importante que ele, isso já começa a dar errado”, opinou.

O jornalista afirma, ainda, que André se virou para o presidente sem qualquer respeito. “Isso deixou de ser uma entrevista, por mais informal ou conversa de botequim que seja. Afinal de contas estamos falando do presidente da República”, continuou ele.

“Imagina se fosse, no mesmo programa, alguém como eu entrevistando, por exemplo, um ministro do Supremo. E aí eu virasse e falasse: ‘E aí, cara, qual é, vai ficar fugindo? Não vai me responder não, cara?’. Pensem como seria a reação da mídia”, finalizou.

Veja as postagens de Constantino:

Top