"SOLAMENTE VOS" (Argentina) - Impressões das primeiras semanas - Portal Overtube "SOLAMENTE VOS" (Argentina) - Impressões das primeiras semanas - Portal Overtube

“SOLAMENTE VOS” (Argentina) – Impressões das primeiras semanas

SolamenteVos2013

Muito barulho por – quase – nada. A divulgação maciça, a força do elenco, os altos índices de audiência, nada justifica tamanho “oba oba” do canal El Trece e da Pol-Ka Producciones com o lançamento de Solamente Vos. Pegando uma das premissas mais manjadas da face do show-biz e nada preocupada em desfazer essa impressão de deja vu, a comédia produzida e protagonizada por Adrián Suar se sustenta totalmente no carisma do elenco e na direção competente de Rodolfo Antúnez e Claudio Ferrari para lograr algum diferencial perante o público.

A trama de Solamente Vos é marcada pelo encontro entre o músico erudito Juan Costeau (Suar) e a cabeleireira Aurora Andrés (Natalia Oreiro). Pai de cinco filhos com idades entre 20 e 7 anos, Costeau acaba de se separar da esposa, Polaca (a ótima Muriel Santa Ana), e de perder o emprego na maior orquestra da cidade. É ajudado pelo amigo Félix (Juan Minujín), que lhe empresta um apartamento mobiliado para viver enquanto tenta reorganizar sua vida. Aurora, vizinha de Juan no condomínio, é amante de Félix e espera ansiosamente pelo dia em que ele deixe sua esposa, a perua Michelle (Claudia Fontán), para assumi-la como mulher – o que claramente não acontecerá tão cedo. Nesse ínterim, Aurora acaba se aproximando de Juan, envolvendo-se com os problemas dos filhos dele e, claro, pouco a pouco os dois vão se apaixonando.

Interessante observar que, após um período de crise no ano passado, Pol-Ka/El Trece baseiem seu plano de contra-ataque em um enredo tão banal e pouco promissor. Falta vivacidade, empolgação ao roteiro de Marta Betoldi, Mario Segade e Lilly Ann Martín, dos recursos narrativos aos diálogos. A mal-sucedida e criticada Cuando me Sonreís (2011) – de cuja equipe autoral a própria Betoldi fez parte – usou praticamente a mesma fórmula em sua tentativa frustrada de cativar o público, mas ao menos possuía algum charme e criatividade nos diálogos e em alguns núcleos. Já Solamente Vos nem mesmo desse alento goza.

A estrutura dos episódios, mais que a uma novela ou uma sitcom, remete a um misto pouco digerível de sátira e crônica do cotidiano familiar. As ações não se aprofundam nem no psicológico dos personagens nem na carga dramática, e tampouco fazem rir. Ao contrário, o que se viu muitas vezes foi Juan discutindo problemas banais com sua família, Aurora se queixando dos pais, os abilolados Rosa (Ana María Picchio) e Orlando (Alberto Martín), Félix “rebolando” para dar conta da esposa e da amante – tudo de forma a oscilar entre o total clichê e o realmente entediante.

Com tantos problemas narrativos, pode-se dizer que Solamente Vos tem no elenco famoso e afinado seu verdadeiro atrativo. Natalia Oreiro e Adrián Suar são de fato excelentes intérpretes, do tipo que conseguem gerar empatia imediata no público. Além disso, veem-se completamente sintonizados em cena desde suas primeiras sequências juntos, tanto que já é possível considerá-los a grande atração do programa. Juan Minujín também está ótimo na pele de Félix, uma espécie de “malandro de elite”, que recorre a subterfúgios pouco criativos para justificar sua ética bastante questionável. Vale citar ainda os flashbacks em que ele e Juan aparecem tocando com sua antiga banda de rock, nos anos 80, muito bem produzidos e caracterizados – outro mérito dos diretores gerais Antúnez e Ferrari.

Há um hiperfoco do roteiro na parte adulta da história em detrimento das histórias juvenis, o que é um total equívoco. Os capítulos da primeira semana enunciaram de forma muito discreta as tramas das irmãs Daniela (Mariana Espósito) e Julieta (Eugenia Suárez), que vivem em pé de guerra por conta de conflitos familiares e amorosos. Um contrassenso se considerarmos a fama e o apelo popular das atrizes juvenis – ex-integrantes da banda Teen Angels e da novela Quase Anjos (2007-2010) – e o retorno que elas poderiam dar em termos de audiência à novela, não só na TV argentina mas também no mercado internacional.

Com o subaproveitamento das duas “estrelas”, quem acabou se destacando mesmo no núcleo dos filhos de Juan Costeau foi a adolescente Ángela Torres. O tom natural e sarcástico que a atriz-mirim vem imprimindo a Mora Costeau é tão acertado que chega a fazer inveja a muitos astros adultos do elenco – principalmente a Espósito e a Suárez, que ainda não tiveram chance de mostrar a que vieram.

Solamente Vos é a típica produção de TV mais preocupada com o apelo popular do que com a real qualidade. Se talvez não fique marcada entre as grandes produções da televisão argentina, ao menos vem cumprindo o papel de estancar a queda nos índices de audiência do El Trece, que preocupa a emissora desde o início de 2012.

Top