TV Escola inicia demissão em massa e 70 funcionários devem ser desligados nesta sexta

A logo da TV Escola (Reprodução)

A logo da TV Escola (Reprodução)

Dezenas de profissionais da TV Escola terão um final de ano regado à tensão. Neste sexta-feira (27) nada menos que 70 demissões devem ser anunciadas na emissora, que é pública e mantida em parceria com o MEC (Ministério da Educação).

De acordo com informações divulgadas nesta manhã pelo colunista Ricardo Feltrin, do portal UOL, os desligamentos serão apenas os primeiros e farão parte de uma demissão em massa que está apavorando a equipe que faz parte do canal educativo.

Segundo a publicação, a decisão foi pelo fim da parceria entre o MEC e a TV Escola. O Ministério é, atualmente, comandado pelo controverso Abraham Weintraub. Chama a atenção, no entanto, que no mês passado os conselheiros aprovaram a renovação do contrato por mais um ano.

Feltrin ainda chama a atenção para um outro problema, que é uma grande preocupação. Restarão cerca de 36 funcionários e outros colaboradores no canal. Caso ele seja fechado, não se sabe como serão pagas as indenizações.

Isso porque a tendência é que o MEC faça o possível para se eximir da responsabilidade, enquanto a Acerp (Associação de Comunicação Roquette Pinto), que faz a gestão da emissora, não tem dinheiro para arcar todas as despesas.

Carlos Vereza ameaçou retirar apoio a Bolsonaro

Carlos Vereza no Conversa com Bial (Reprodução/TV Globo)
Carlos Vereza no Conversa com Bial (Reprodução/TV Globo)

No início desta semana, o ator Carlos Vereza ameaçou retirar seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro caso a TV Escola seja fechada. Atualmente, ele apresenta no canal o programa Plano Sequência, que foi lançado recentemente. Leia está matéria clicando aqui.

Top